Gente,

minha gata já deu um testemunho dela de como foi nosso primeiro ménage.  Por isso vou  complementar com meu ponto de vista e tentar não repetir o que já foi dito. Amanda foi a acompanhante escolhida, marcada para as 19 horas de uma quinta feira em São Paulo. Trânsito até que tranquilo, uma chuvinha leve de um dia quente de verão. Chegamos adiantados e ficamos num restaurante do lado do flat dela esperando, tomando sucos.

 O momento que antecedeu a coisa em si foi um tanto esquisito. É importante contar tudo isso aqui para vocês saberem que nem tudo é oba oba, existe uma tensão normal por detrás. Não estávamos com tesão, estávamos apreensivos em como a coisa ia se desenrolar e pelo fato de que a vontade não desperta em nós assim com hora marcada né? Mas achei que ia ser diferente, que já estaríamos loucos de vontade quanto mais perto chegava o momento. Mas não foi assim. Falávamos de tudo, menos de sexo. Minha mulher estava uma delícia. Vestidinho curto, pernas torneadas e bronzeadas à mostra. Mas não havia clima nenhum de erotismo no ar. Parecia que tínhamos que fazer uma coisa e pronto…

 A hora veio. Subimos o elevador rindo… Era um risinho meio sem graça sabe, do tipo “nossa no que será que estamos nos metendo?”.

 Amanda abriu a porta com um roupão preto. A primeira impressão foi ótima:  ela era bonita e simpática. O local agradável e limpo. Enquanto estava sozinho com Amanda no quarto, pois minha mulher estava no banheiro, contei que seria a primeira vez dela com outra mulher e num ménage. Ela disse que faria uma massagem pra relaxar e ir bem devagar.

 Minha mulher ficou só de calcinha e começou a ser massageada. Amanda também tirou o roupão e pude ver pela primeira vez a bunda perfeita e como minha mulher adora frisar, sem nenhuma celulite. A calcinha era minúscula e não cobria nada. Ela estava montada em minha amada e ja dando beijinhos por todo o corpo. Você deve imaginar que eu estava nas nuvens… pior que não… meu pau nesse momento estava morto! Eu estava mais apreensivo do que tudo… via que minha mulher não estava relaxada, aquele riso sem graça ainda teimava em permanecer no rosto dela… tudo parecia uma coisa bizarra demais. De repente aquela mulher que nunca havíamos visto na vida estava lá numa cama conosco, tentando excitar dois moribundos assustados. Pensei a mesma coisa que minha esposa pensou,  (depois ela me contou): já que estamos aqui, continua, fazer o quê… daqui a pouco acaba!

 Eu estava até com vergonha de tirar a cueca quando me juntei a elas. O meu pau estava menor do que quando eu havia entrado naquele flat. Tive uma retração e não uma ereção. O bichinho coitado foi pra dentro ao invés de ir pra fora. Nunca o vi tão mole, pequeno e assustado…

Calma gente… esses foram os primeiros 10 minutos. Não desistam de nós…

 Comecei a beijar minha mulher pra ver se conseguia relaxar a ela e a mim mesmo. Amanda nesse momento desceu e tocou a bucetinha dela com a língua. Pelo que senti no ar esse foi o primeiro instante de prazer no ambiente. A tensão foi dando lugar a um tesão envergonhado, mas que parecia ter potencial de se desenvolver… perguntei se estava gostoso e ela disse que sim…estávamos saindo do estado de choque, caminhando para uma coisa mais lúdica. Devagar íamos acordando para o momento…o estado sedado e catatônico de olhos petrificados inicial cedia lugar para um quase desprendimento, um quase abandono no agora…

 Amanda subiu de novo para o rosto de minha mulher dando beijinhos e lambidas. Minha mulher virou o rosto quando ela tentou beijá-la.

 Ela havia avisado antes que não queria dar beijo na garota. Para ela o beijo é algo muito íntimo, e beijar uma mulher seria estranhíssimo para ela. Eu me conformei, claro, queria vê-la curtindo sem obrigação de nada. Meu prazer vem do prazer dela. Mas como eu queria rsrs…

 Aproveitei as duas boquinhas próximas uma da outra e coloquei meu pau no meio delas. Ele ainda estava mole, mas com as duas bocas mimando, logo a ereção veio. Ufa, finalmente eu estava excitado, e como… Naquele momento aquele cara que planejava esse momento há tanto tempo com todo o tesão do mundo finalmente apareceu…eu estava testemunhando com toda testosterona de meu corpo minha gata chupando meu saco e Amanda sugando forte a cabecinha do meu pau… o sangue fluindo desesperado endurecendo minha carne me ressuscitou de vez… agora tudo fazia sentido de novo e a vida era boa, como era… Reparei que no meio dessa felação dupla maravilhosa as duas línguas delas volta e meia se tocavam. Era um quase beijo, já me dava muito tesão de ver.

 Vendo as pernas lindas de minha mulher entreabertas me deu uma vontade louca de meter. Fui lá rapidinho colocar meu pau dentro dela. Era diferente estar fodendo minha gata na frente de alguém, uma sensação deliciosa… e Amanda estava lá atrás de nós enquanto eu metia, fazendo não sei o que… só sei que estava muito gostoso.

 Pedi certa hora que Amanda ficasse de bruços para que eu e minha mulher curtíssemos seu bumbum. Minha mulher falara tanto que amava bunda de mulher que eu queria muito vê-la finalmente podendo pegar em uma pela primeira vez. Amanda ficou quietinha lá de bunda pra cima, quase empinada, sem se mexer. Passamos as mãos juntos nela, lambemos gostoso. Mostrei a marquinha de sol puxando a calcinha e demos uns tapinhas. A pele era muito macia, lisinha, de uma cor linda… Minha gata confessou que ficou muito tímida nessa hora e que pretende dar uns avanços mais ousados na próxima vez, aproveitar mais…

 Comecei a chupar minha mulher… amo o cheiro da bucetinha dela e amei sentir o quanto estava molhada. Mas levei bronca… como ela já estava prestes a gozar, minha gata exigiu que o orgasmo viesse pela boca da Amanda e não da minha. Claaaro que concordei… era fundamental coroarmos a noite da primeira mulher dela com o primeiro orgasmo dela causado por uma mulher. Só assim a lesbianizaçao estaria irrevogavelmente consumada (leiam meu post sobre isso), e a brincadeira no mais alto grau de satisfação. Amanda foi para o posto seu de direito, no meio das pernas de minha mulher e eu coloquei meu pau em sua boca. Queria sentir os gemidos de meu amor sufocados pelo meu membro que entupia a passagem de som enquanto era chupada. Pau na boca, Amanda na bucetinha: minha loira gemia gostoso… o clímax não tardava!

 E assim foi… minha amada amadíssima gozou o gozo dos gozos. Fez história… Sua virgindade lésbica já era. Nascia outra mulher daqueles breves instantes de eletricidade desvairada.. nosso querido amigo orgasmo foi causado pela língua de alguém do mesmo sexo que ela. Eu, a testemunha ocular e excitada, juro com o membro em riste que assim foi. Excelsa glória…

 Só tenho a agradecer essa delícia de momento inesquecível. Amanda para sempre será a primeira mulher de minha esposa.

Demos um gostoso beijo triplo num certo momento… é muito bom sentir duas línguas ao mesmo tempo. Apesar de não poder ver minha mulher beijando direito, já era uma delícia saber que ela estava ali com a Amanda. Ela não queria que eu deixasse só elas duas, era só eu parar que ela parava também… puxava minha cabeça pra ficar sempre junto.

Como disse na primeira parte, ela não tinha vontade nenhuma de beijar mulher… já tinha avisado que não rolaria…

Mas eis que um milagre se fez… Um milagre mesmo, divino…

Em um dado momento eu me fingi de besta e esquecido e pedi: dá um beijinho vocês duas…? Amanda foi e minha mulher não recuou… e a coisa rolou, bem rápida, mas rolou… E acho que foi o suficiente. Percebi que minha amada curtiu. O que já estava maravilhoso então se tornou algo sobrenatural. Não comentei nada na hora… fingimos que nada aconteceu, que foi um erro proposital sei lá o que… mas eu daquela hora em diante não pensei em mais nada… fiquei esperando um pouco, curtindo o espaço de tempo como uma delícia em si até a hora que pediria de novo para que se beijassem mais… Esperei, deixei que pensassem que aquilo me passou desapercebido… quando já curtira bastante a antecipação, pedi com todo o tesão do mundo acumulado: beija mais vocês duas?

E a delícia maior foi ver que meu pedido não veio pra forçar ninguém… o pedido estava sendo esperado, aguardado com ansiedade até… Ela estava com vontade de mais, queria a boca da Amanda. Os beijos então rolaram com muita naturalidade, um desprendimento gostoso, uma brincadeira pra lá de safada. Ela tinha tesão por beijar e em saber que eu estava me masturbando olhando. As duas pertinho de mim, me deixando doido.

O beijo das duas foi pra mim algo transcendente. Tentar explicar e por em palavras chega a ser heresia. Não tenho conhecimento suficiente da língua pra transmitir a vocês o que foi. Teria que ficar inventando metáforas e mais metáforas porque só a linguagem poética seria capaz de descrever meu assombro, meu prazer…

Há algo de romântico/delicado misturado com erótico num beijo que nada pode superar. Eu nunca tinha visto minha mulher beijar… por mais que beijemos alguém, não vemos realmente como é essa pessoa beijando…Eu olhava a cabecinha da minha loira mexendo devagar, aquele movimento em transe dos beijos, meio câmera lenta, hipnótico. Via a linguinha dela ora indo pra dentro da outra boca ora raspando por fora… olhinhos fechados curtindo o tesão de possuir a boca de outra mulher pela primeira vez… a cadência das duas regia a cadência de minha mão que esfregava meu pau com um ritmo semelhante, mais pro delicado que o bruto… minha loira só parava de beijar quando era pra por a boquinha no meu pau… eu adorava essas transições rápidas… mas queria sempre que o beijo recomeçasse… era uma delicia ver o beijo parar e elas se afastarem porque o recomeço é bom demais. Ver as cabecinhas delas que se encontravam longe se aproximando para mais uma vez se lambuzarem é um curto e eterno momento de delírio… elas vão se tocar, vão se tocar, vão…ahhh tão grudadas…

Minha amada então disse em alto e bom som: “nossa, achei que não ia querer beijar, mas foi o que mais curti…”. Meu pau então sugou mais sangue do resto do meu corpo, minha mente encontrou a paz celestial…

Ah que glória, que tudo… uma coisa é ver sua mulher beijando porque você quis, outra é ver ela com tesão no ato.. aí sim, é puro delírio.  Essa frase dela vai ficar na minha memória pra sempre… minha safadinha deliciosa. Eu repetia que nem um doido inebriado: que lindo, que lindo… parecia que eu tinha tomado ácido ou alguma outra coisa alucinógena. Aquilo foi uma trip descomunal… gemidinhos ridículos escapavam de minha boca.

 O tempo parou pra mim. Só havia aquelas duas bocas se degladiando com espadas de língua, um erotismo singelo e bonito, mas ao mesmo tempo pervertido e inusitado… a combinação que mais amo! Que coisa absurdamente gostosa estava ali na minha frente! Beija mais, beija mais…

 O tempo parou nada… logo em seguida ouvi sem mais nem menos: “gente é chato, mas acabou…”. Me despertaram de um transe hipnótico, de um sonho maravilhoso. Era Amanda me trazendo de volta a realidade… já tinha passado uma hora, nosso momento com ela chegava ao fim e eu nem tinha gozado… despertador é sempre traumatizante…

 Pedi um “extra time” pra gozar nos acréscimos… ela deixou… comecei a esfregar o pau freneticamente…minha mulher veio ao meu auxílio nesse momento desesperado como boa moça e de bom coração que é..começou a me chupar com força… percebendo que o orgasmo vinha tirei o pau da boca dela e implorei mais uma vez, agora com pressa: beija ela beija ela… ela saiu do meu pau ao encontro da boca da Amanda e eu gozei vendo as duas grudadinhas de novo…ai que delicia, que tesão infinito, que indescritível…

De repente um papel surgiu do nada para eu me limpar; as duas garotas já estavam na praticidade das coisas e eu ainda num torpor mediúnico pós-gozo. Ainda não descera para o cotidiano, não estava pronto para as necessidades comezinhas… mas, a vida continuava depois do êxtase, era preciso uma água no rosto, uma explosão nuclear no ouvido, um beliscão nos sentidos para eu retomar o prosaico dia a dia.

 Fui embora com um gostinho de quero mais… e o que é mais maravilhoso: minha mulher também saiu com gostinho de quero mais…

Só sei de uma coisa: vai ter muitooooo mais….

Em uma só dose, viciei em ver minha gata beijar outra… não quero cura pra esse vício!

Ainda gozei de novo quando cheguei em casa, pensando no beijo das duas… Refaço todos os mínimos movimentos mentalmente, vejo os lábios se sugando, as salivas ensopando o rosto…e anseio desesperadamente por repetir ao vivo.

 O beijo delas foi um beijo da vida em mim… um presente inesquecível. Esses momentos fazem tudo valer a pena… Exagerado? Experimentem então… agoraaaa…

 No dia seguinte, uma mensagem no celular da minha amada pra abrir uma perspectiva maravilhosa de futuro:

     “Precisamos repetir a noite de ontem o mais rápido possível…”

                              Isso se chama Felicidade…

About The Author

Sou um cara que ama criatividade em todos os setores da vida, principalmente no sexo. Sempre pronto pra inventar e experimentar coisas inusitadas, quebrar padrões e expandir a realidade. Tudo junto do amor da minha vida, porque só assim que tem graça.

Related Posts

Leave a Reply